quinta-feira, 29 de maio de 2008

A Importância da Educação Formal de Qualidade para Todos

Segundo Darci Ribeiro (do livro “O Povo Brasileiro”) a distância social na sociedade brasileira é enorme.
As distancias sociais e culturais são quase tão grandes quanto as que medeiam entre povos distintos.
Na base do funil está a massa constituída de empregadas domésticas, pequenas prostitutas e miseráveis. No topo está a classe dominante, individualista e exploradora.
A estrutura de classe brasileira é a mesma dos tempos da escravidão. De fato não acabou a escravidão no Brasil. O que houve foram adaptações sociais, onde a figura do explorador insensível e mau de um lado, e do outro a massa explorada persistiram.
Para Darci Ribeiro o pobre é feio devido sua condição de ser usado como objeto de trabalho. Quando o pobre ascende à classe dominante sua nova geração é mais bonita, e até aumenta de estatura. Este mesmo pobre ascendido perpetua a estrutura social vigente, pois não tem formação educacional suficiente para criar uma nova estrutura social.
No Brasil quem tem condições financeiras e formação educacional manda; quem é dependente financeiramente ou não teve acesso à educação é subserviente.
O motivo desta dicotomia social brasileira é a diferença educacional entre os diversos segmentos que compõem o povo brasileiro.
O grande problema da sociedade brasileira está na insuficiência educacional que leva a massa a aspirar à ascensão social individualmente (inserir-se na classe dominante lhe significa a alforria).
A massa subserviente, bajuladora, sem educação formal vende o seu voto facilmente. O que segundo Darci Ribeiro perpetua a miséria.
Educação de qualidade para todos, saúde de qualidade, mesmo patamar salarial, etc. dentro de um sistema socialista fizeram de Cuba uma sociedade de iguais, diferente da brasileira.
Um povo culto é fruto de um povo rico, segundo Ismael C. Braga.
Temos, no Brasil, uma sociedade disforme. Educação igual para todos, desenvolvimento econômico (com governos dispostos a anular os males do capitalismo) nos fará uma sociedade de iguais, em que o eleitor tenderá a não vender seu voto, escolher melhor, e o político tenderá a ser menos corrupto por imposição da sociedade.

Um comentário:

José Edimilson de Oliveira disse...

Bem oportuna esta matéria. Se fossemos analisar os efeitos danosos que vivemos e sofremos, causados pela ausência da educação e principalmente da cultura, durante quase toda a história política e social do nosso Pais, talvez entendêssemos os absurdos que ainda comentemos.
Como somos uma nação despolitizada, sem acesso a educação, tornamo-nos uma sociedade cega, incapaz de ter uma visão geral dos absurdos que nos rodeiam e com isto perdemos a oportunidade de correção (de se auto-corrigir). Praticamos os mesmos erros, achando que o errado é certo. Há acadêmicos analfabetos de conscientização tão ignorantes como qualquer um leigo. Quando se aprende errado, dificilmente compreende-se o que é o correto. Por isso os problemas brasileiros são complexos e enquanto uma tenta acertar, a maioria pensa o contrário. Ainda bem que para compensar nossa cegueira, Deus que é brasileiro criou (além de cristo para salvar-nos do pecado) brasileiros como Darci Ribeiro, Gilberto Freire, e tantos outros para salvar-nos da ignorância.